A Arte de Pierre Le Gros - Barroco - Itália - 1666 - 1719

Clique nas imagens ara ampliar

São Tomé, Basílica de São João de Latrão
Pierre Le Gros, o Jovem (Paris, 12 de abril de 1666 - Roma, 3 de maio de 1719)1 , também conhecido como Pierre Le Gros II ou Pierre Legros, foi um escultor francês que trabalhou principalmente em Roma, realizando diversas obras importantes para clientes eclesiásticos, em especial os jesuítas e dominicanos.2

Le Gros pertenceu à escola barroca de escultura, e seu estilo, fiel à escola, mostra um notável dinamismo e dramaticidade, enquadrando-se ademais na filosofia da Contra-Reforma para as artes, que era a diretriz adotada pelo clero católico, ao qual serviu, para a decoração de seus locais de culto. Tal diretriz procurava em essência usar a arte para a propaganda da fé e da Igreja institucionalizada, representando temas sobre as vidas dos santos e mártires, e sobre os princípios fundamentais da doutrina, sempre didaticamente e com um apelo direto à emoção, buscando maravilhar o devoto em composições grandiloquentes instaladas em ambientações suntuosas

Estátua do Beato Estanislau Kostka, Noviciado Jesuíta, Roma


Detalhe da estátua do Beato Estanislau Kostka

Sobre a obra da estátua do Beato Estanislau Kotska:

"Passado o estupor, vem o terror diante da contemplação do moribundo - um terror que acometia numerosos visitantes - a pessoa avança para perceber o abandono e a palidez do enfermo, e por fim se distinguem os olhos revirados, prenúncio do fim tão esperado. A estátua opera muito mais do que apenas um espanto inicial, ela se desvela pouco a pouco, necessitando uma demora, uma aproximação progressiva, até ser apreciada em sua inteireza".


São Bartolomeu, Basílica de São João de Latrão

Santo Inácio de Loyola, Igreja de Jesus, Roma

Tumba de Gregório XV, Igreja de Santo Inácio, Roma

Detalhe da tumba de Gregório XV na Igreja de Santo Inácio, Roma

A Religião açoitando a Heresia e o Ódio

Detalhe do relevo São Luís Gonzaga na Glória

Detalhe do monumento a Gregório XV

Frédéric-Maurice de la Tour d'Auvergne, Hôtel-Dieu de Cluny

Comentários