O que a imprensa brasileira não diz sobre a Venezuela

Porque o que ocorre na Venezuela é golpismo?



Vou transcrever aqui o artigo 72 da Constituição Venezuelana:

Artículo 72. Todos los cargos y magistraturas de elección popular son revocables.Transcurrida la mitad del período para el cual fue elegido el funcionario o funcionaria, un número no menor del veinte por ciento de los electores o electoras inscritos en la correspondiente circunscripción podrá solicitar la convocatoria de un referendo para revocar su mandato.

É duvidoso – ao menos que eu saiba – que exista algum outro país onde a população possa colocar para fora, pelo voto, um governante que ela própria elegeu.

Basta que 20% dos eleitores assinem uma petição neste sentido.

Vale para todos os níveis, de vereador a Presidente da República.

Ao contrário do que a imprensa brasileira faz crer, não se está pretendendo depor um ditador, alguém que tenha chegado ao poder sem legitimidade.

A eleição de Maduro, embora apertada, foi certificada por observadores eleitorais do mundo todo – inclusive dos EUA, como Jimmy Carter – e teve até o que seria impossível no Brasil: a recontagem dos votos físicos, porque a urna eletrônica deles tem esse registro material, que a nossa não tem.

O referendo revogatório, como é conhecido por lá este mecanismo, foi introduzido na Constituição por Hugo Chávez depois do golpe frustrado com que se o tentou derrubar, em 2002.

Foi como se dissesse: se querem me derrubar, que seja pelo voto.

Chávez morreu poucos meses após ser reeleito.

Maduro, seu vice, submeteu-se a uma nova eleição, a seguir.

Pode-se, desde já, começar a colher assinaturas para a convocação de um plebiscito para, democraticamente, depô-lo do poder, na metade de seu mandato.

Em 2005, colheram-se as assinaturas, houve o referendo e Chávez o venceu.

Não conheço outra democracia onde se possa tanto.

Mas escolheu-se o caminho da violência, e não se pode esperar que a maioria que elegeu Chávez e depois Maduro aceite, no grito, a revogação do voto da maioria dos venenezuelanos.

Mas a nossa mídia nunca fala nos instrumentos democráticos que tem a Venezuela, muito maiores que os nossos até, quando se trata de derrubar governos, o que não existe aqui e em parte alguma do mundo.

E que a oposição não quer usar.

Talvez por isso se explique o que está acontecendo por lá, com a mídia, que foi a promotora e a arma do golpe de 2002 e foi posta, com legislação e decisões judiciais legitima, dentro de regras.

Todo o resto é propaganda, que não pode responder a uma pergunta simples e direta: se a maioria dos venezuelanos não quer Maduro, porque a oposição não quer seguir as regras do referendo revogatório?

Comentários