UNE e universidades privadas discordam sobre destinação de verbas para educação

Agência Câmara Notícias

Texto aprovado pelo Senado para o Plano Nacional de Educação prevê 10% do PIB para o setor, mas não garante a aplicação das verbas exclusivamente no ensino público. Comissão especial da Câmara espera analisar parecer do deputado Angelo Vanhoni em março.
Lucio Bernardo Jr. / Câmara dos Deputados
Estudantes protestaram contra a falta de investimentos na educação pública.

A destinação de 10% do PIB somente para a educação pública e a discussão nas escolas sobre gênero, raça e diversidade sexual mobilizaram manifestantes durante a realização de audiência pública, desta terça-feira (25), da comissão especial que discute o Plano Nacional de Educação (PNE - PL 8035/10).
A proposta, que já havia sido aprovada pelos deputados em 2012, sofreu alterações no Senado e voltou para análise da Câmara. Em relação ao PIB, o texto aprovado pelos senadores determina que os 10% sejam aplicados em educação, não necessariamente no ensino público como defende a União Nacional dos Estudantes (UNE) e estava previsto na versão da Câmara.

A presidente da entidade estudantil, Virgínia Barros, afirmou que o dinheiro do contribuinte deve servir para uma educação pública de qualidade. “É por isso que nós viemos aqui reafirmar nossa defesa de 10% do PIB para o ensino público. O texto do Senado deixa margem para o crescente processo de mercantilização que a educação brasileira vem sofrendo", disse.


Já o representante da Associação Nacional das Universidades Particulares (Anup), Raulino Tramontin, acredita que a educação privada não deve ser excluída do PNE, porque recursos públicos, do Programa Universidade para Todos (ProUni) e do Fies, já estão sendo utilizados para qualificar milhares de estudantes. 
"Não podemos ter uma visão distorcida, pois não existe educação gratuita. Todos nós pagamos, por meio de impostos, pelos serviços educacionais que o Brasil oferece”, declarou. “O Estado não gera dinheiro, quem faz isso é o setor produtivo; o governo apenas arrecada. Agora vamos discutir como vamos gastar esse dinheiro", completou.

Diversidade
O relator da proposta, deputado Angelo Vanhoni (PT-PR), adiantou que não vai retroceder em relação ao artigo que trata da diversidade de gênero. Para ele, é fundamental que se mantenha o texto da Câmara, "mais próximo da expectativa da sociedade".
Arquivo/ Leonardo Prado
Vanhoni vai manter artigo que trata do respeito à diversidade nas escolas.

"Devemos abordar de forma clara todas as questões referentes à discriminação que existe na sociedade brasileira, seja de gênero, raça ou orientação sexual", sustentou o relator.

A manutenção do dispositivo aprovado anteriormente pelos deputados que prevê a necessidade de o ensino contemplar o respeito à diversidade foi uma das reivindicações do presidente da Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Travestis e Transexuais (ABGLT), Tony Reis. Ele apontou que a maioria dos casos de violência dentro das escolas é causada por racismo, machismo ou homofobia.

Em relação ao repasse do PIB somente para a educação pública, Vanhoni informou que ainda está conversando com os deputados. O relator reiterou que vai apresentar seu relatório à comissão especial no dia 11 de março.

Íntegra da proposta:
Reportagem - Karla Alessandra
Edição - Marcelo Oliveira

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'

Comentários