O PIG me enganou - desabafo de um coxinha arrependido

Conversa Afiada

Coxinha digere aquela enxurrada de notícias calamitosas do PiG (*) e o abismo anunciado nunca chegou


O Conversa Afiada reproduz desabafo de confesso Coxinha:

Ando muito triste, cabisbaixo. É que no ano passado, quando descobri o Brazil, terra fétida e estéril, populada por uma espécie espinhosa e ignorante, que mal pode ser considerada humana (menos eu, claro!), um sopro de esperança encheu meu ser. Nas múltiplas manifestações em que participei, de meu sofá, através da mídia ninja, comendo um chitos e tomando coca zero, pude constatar que de uma vez por todas, as mazelas desse país seriam extirpadas e estripadas, como num passe de mágica, com aquela grande festa cívica. Mas daí, descobri que era tudo fábula, pois fora programado para este ano um evento menor de futebol, a Copa do Mundo. Percebi que este evento foi milimétricamente arquitetado pelos operadores comunistas e bolivarianos que assolam essas terras decrépitas, em conluio com as grandes empreiteiras. Uma praga!

Peguei logo exemplares de meus diversos oráculos para saber o que diabos estava acontecendo. Empilhei Globo, Veja, Folha de São Paulo, InfoMoney e NRA News na minha cabeceira. Tão logo acabei de devorar, desde as manchetes garrafais até os obituários, deitei-me prostrado no sofá, a digerir aquela enxurrada de notícias calamitosas. De fato, o mundo acabaria em algumas semanas, para meu regozijo. Mundo quando digo é esse Brazil. Por que lá fora, onde reina uma era pós-capitalista e os seres são imbuídos de uma fraternidade universal, todos se punham a gargalhar e apontar a decrepitude desse polígono geográfico malgrado.

Mas logo fui tomado por um desespero intenso quando percebi que, após certo tempo, não afundara no abismo dantesco que os oráculos prometiam. Afinal, o comunismo já se espalhara e não via mais outra saída senão a hecatombe, que já havia programado assistir, pipoca e grapete em mãos, na minha televisão LED 3D de 60 polegadas. Minha casa continuava de pé, a rua mal asfaltada continuava com seus buracos intactos e o jornaleiro da esquina continuava a vender oráculos, que invariavelmente adiavam a hecatombe para daqui a algumas semanas, e assim por diante. Muito suspeito, pensei.

Mais recentemente recorri ao Facebook, terra de Marlboro e maior termômetro da coxice universal, para tentar compreender um pouco mais sobre esta desconjuntura. Me espantei ao constatar que meus amigos coxas haviam subitamente mudado de opinião. É que o Faustão havia lhes dito que a corrupção e decrepitude continuava intacta – e de corrupção e banditismo a Globo é expert – mas a Copa era boa. Não era bem assim, o dinheiro dos estádios viera de empréstimos a serem restituídos ao erário. Pó pará, vamos torcer pro braziu pra garantir a audiência Global, e assim por diante.

Hoje estou nesse estado, sem eira nem beira. Minha coxice resta estupefata. Como irei postar as manchetes no meu timeline se não consigo mais decifrar a mensagem oficial a ser reproduzida? Torço ou não torço? E a ameaça anarco-sindico-comunista? Quando irão surrupiar minha propriedade e família para entregar ao coletivo Fora do Beiço? Sabe de uma coisa, propriedade e família nos olhos dos outros é refresco! Amanhã mesmo formalizo minha adesão ao PC Soviético para entrar na farra.

J. Coxa

Comentários