Países da Copa: Irã





Um país do qual sabemos pouco, pois tudo o quê nos chega já vem filtrado pela política externa e pelo preconceito norte americano, que domina a imprensa ocidental.

É mais um país que resistiu ao colonialismo europeu e norte americano e criou sua forma de governo para suportar as pressões que sofre no dia para se render e entregar suas fontes de riqueza. Como resiste, é frequentemente citado pela imprensa ocidental como "inimigo da paz" e um "problema".

Um exemplo mais próximo, que sofre as mesmas consequências, é a Venezuela, desde a posse de Hugo Chavez.

A Cultura persa, ou iraniana, é uma das mais ricas e que mais influenciou o mundo. O cinema produzido pelo Irã é muito festejado e um dos mais belos. Aqui mesmo no blog já comentei um filme iraniano que me tocou muito (Um Filme Me Levou a Belo Monte), "Procurando Elly".

Já mencionei e publiquei vários artistas plásticos do Irã também, conforme relação abaixo (clique nos links para ver mais sobre cada um deles):











Irã: um país com diversas contradições, mas o quê conseguimos ver realmente por trás da cortina de fumaça da imprensa ocidental?
==*==





Irão (português europeu) ou Irã (português brasileiro) (em persa: ايران), oficialmente República Islâmica do Irão/Irã e anteriormente conhecido como Pérsia,5 é um país localizado na Ásia Ocidental.6 7 8 Tem fronteiras a norte com Arménia,Azerbaijão e Turquemenistão e com o Cazaquistão e a Rússia através do Mar Cáspio; a leste com Afeganistão e Paquistão; ao sul com o Golfo Pérsico e o Golfo de Omã; a oeste com o Iraque; e a noroeste com a Turquia. Composto por uma área de 1 648 195 quilômetros quadrados, é a segunda maior nação do Oriente Médio e a 18ª maior do mundo. Com mais de 77 milhões de habitantes, o Irã é o 17º país mais populoso do mundo.6 9

O país é o lar de uma das civilizações mais antigas do mundo,10 que começa com a formação do reino de Elam em 2800 a.C. Os povos iranianos medos unificaram o país no primeiro de muitos impérios que iriam se seguir em 625 a.C., após a nação se tornar o principal poder cultural e político dominante na região.11 O Irã atingiu o auge de seu poder durante o Império Aquemênida, fundado por Ciro, o Grande em 550 a.C. e que, na sua maior extensão, compunha grandes porções do mundo antigo, que se estendiam do vale do Indo, no leste, à Trácia e Macedônia, na fronteira nordeste da Grécia, tornando-se um dos maiores impérios que o mundo já vira.12 Os Aquemênidas entraram em colapso em 330 a.C. após as conquistas deAlexandre, o Grande, mas o país alcançou uma nova era de prosperidade após o estabelecimento do Império Sassânida em 224 d.C., sob o qual o Irã se tornou uma das principais potências da Europa Oriental e da Ásia Central nos quatro séculos seguintes.

Em 633 d.C., árabes muçulmanos invadiram o Irã e conquistaram-no por volta 651 d.C.13 O Irã depois desempenhou um papel vital durante a subsequente Idade de Ouro Islâmica, produzindo diversos cientistas, acadêmicos, artistas e pensadores influentes. O surgimento em 1501 do Império Safávida promoveu o xiismo duodecimano islâmico como a religião oficial e marcou um dos divisores de águas mais importantes da história iraniana e muçulmana.14 15 A Revolução Constitucional Persa de 1906 estabeleceu o primeiro parlamento da nação, que operava dentro sistema político de monarquia constitucional. Após um golpe de Estado apoiado por Reino Unido e Estados Unidos em 1953, o Irã tornou-se gradualmente autocrático. A crescente oposição contra a influência estrangeira e a repressão política culminou com a Revolução Iraniana, que acabou por criar uma república islâmica em 1º de abril de 1979.

Portal de Xerxes entre as ruínas da cidade de Persépolis, a antiga capital do Império
Aquemênida
 e agora umPatrimônio da Humanidadepela UNESCO32
Um país geograficamente diverso, mas principalmente montanhoso, o Irã sempre teve uma importância geopolíticasignificativa devido à sua localização, no cruzamento entre o Sul, o Centro e o Ocidente da Ásia. Teerã é a sua capital e a maior cidade, servindo como o centro cultural, financeiro e industrial da nação. O Irã é uma potência média e regional16 17 e exerce uma grande influência na segurança energética internacional e na economia mundial através das suas grandes reservas de combustíveis fósseis, que incluem a maior oferta de gás natural no mundo e a quarta maior reserva comprovada de petróleo.18 19 O Irã é um dos membros fundadores da Organização das Nações Unidas (ONU), do Movimento Não Alinhado, da Organização da Conferência Islâmica (OCI) e da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP). Seusistema político único, baseado na constituição de 1979, combina elementos de uma democracia parlamentar com os de umateocracia religiosa dirigida por clérigos nacionais, na qual a mais alta autoridade governamental é o Líder Supremo. Apesar de ser uma nação multicultural que inclui vários grupos étnicos e linguísticos, o islamismo xiita e o persa são os únicos classificados como a religião e o idioma oficiais do país, respectivamente.20


Etimologia

O nome Irão (português europeu) ou Irã (português brasileiro) (em persa: ایران) do persa moderno deriva do termo proto-iranianoAryānā, que significa "terra dos arianos", palavra registrada pela primeira vez no Avesta da tradição do zoroastrismo.21 22 2324 O termo Ērān foi encontrado em referência ao Irã, em uma inscrição Sassânida do século III e em uma inscrição partaonde o termo aryān é usado em referência aos iranianos.25

Teerã
Historicamente o Irã tem sido referido como Pérsia, ou algum outro termo similar (La Perse, Persien, Perzië, etc), pelo mundo ocidental, principalmente devido aos escritos de historiadores gregos que chamavam o Irã de Persis (Περσίς), ou "terra dospersas". Em 1935, o Reza Pahlavi pediu que a comunidade internacional se referisse ao país como Irão/Irã. A oposição à mudança de nome levou à reversão da decisão e, em 1959, ambos os nomes eram usados ​​indistintamente.26 Atualmente, os termos Pérsia e Irão/Irã' são usados ​​alternadamente em contextos culturais; no entanto, este último é o nome mais usado oficialmente em contextos políticos.27

O uso histórico e cultural mais amplo do termo Irão/Irã não está restrito ao Estado moderno homônimo.28 29 30 Irānshahr ouIrānzamīn (mundo iraniano) são termos que correspondem a territórios de zonas culturais ou linguísticas iranianas. Além do território do Irã moderno, a nação também incluía partes do Cáucaso, da Mesopotâmia, do subcontinente indiano e da Ásia Central.31

Isfahan

Karaj

Meshed
Mesquita Imã Reza, na cidade deMashhad,
um dos locais mais sagrados do país.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O Irã tem uma longa história nos domínios da arte, música, arquitetura, poesia, filosofia e ideologia. Em certa época, a cultura iranianapredominou no Oriente Médio, de tal forma que o persa era considerado a língua da intelectualidade durante a maior parte do segundo milênio d.C.

Pintura da era safávida, no Hotel Grand
Shah Abbas 
Caravasar emIsfahan.
Quase todas as obras filosóficas, científicas ou literárias dos impérios islâmicos foram escritas em (ou traduzidas para o) persa, tanto quanto emárabe. A conquista islâmica do Império Sassânida durante a primeira metade do século VII deu início a uma síntese das línguas árabe e persa. Por volta do século X, esta difusão cultural fazia antever o desaparecimento do idioma persa nativo, pois muitos escritores, cientistas e acadêmicos persas preferiam escrever na língua do Alcorão (árabe). Esta situação levou Ferdusi a redigir o Shâh Nâmâ ("livro dos reis"), o épico nacional iraniano, exclusivamente em persa, o que permitiu o forte ressurgimento da identidade nacional iraniana e é responsável, em parte, pela preservação da língua persa como língua independente.

A tradição literária iraniana é rica e variada, embora o mundo não esteja familiarizado com a poesia persa. O mais famoso dos poetas do Irã éRumi, embora muitos iranianos considerem Saadi tão influente quanto aquele. Ambos eram praticantes do Sufismo e são citados pelos iranianos com tanta frequência quanto o Alcorão.

O cinema continua a florescer no Irã, e muitos diretores têm sido reconhecidos pelo seu trabalho. Um dos mais conhecidos cineastas é Abbas Kiarostami. Os mídia no Irã são controlada direta ou indiretamente pelo Estado e deve ser aprovada pelo Ministério da Orientação Islâmica antes de ser publicada. O Estado também controla a Internet, altamente popular junto à juventude iraniana. O Irã é hoje o quarto maior país em número de blogueiros.

Vista panorâmica da Praça de Naqsh-e Jahan
A busca da justiça e da equidade sociais é um traço importante da cultura iraniana. O Cilindro de Ciro é considerado por muitos a primeira declaração de direitos humanos do mundo e formou a base do governo da dinastia aquemênida. A igualdade entre os sexos também tem um precedente histórico no país. A sharia impõe duras restrições às mulheres, como não poder dirigir ou trabalhar sem a permissão do marido e ver seu testemunho valer a metade dos homens. No entanto, as iranianas têm mais direitos que as marroquinas, egípcias ou sauditas e afegãs. No Marrocos, 80% das mulheres são analfabetas; no Irã, as mulheres constituem mais da metade das novas turmas universitárias. Desde as dinastias aquemênida e sassânida, encorajava-se as mulheres a estudar; elas podiam ter propriedades, influenciavam os assuntos de Estado e trabalhar. Podem dirigir, votar e concorrer a cargos públicos. Desde a participação massiva na revolução islâmica de 1979, as mulheres nunca mais deixaram a cena pública. Em 1996, 14 delas foram eleitas para aAssembleia. Hoje, dominam os serviços civis, a educação universitária e são numerosas na polícia. Juntas, formam mais de 30% da força de trabalho do país. Em vinte anos, dobrou a porcentagem de mulheres economicamente ativas. O respeito aos mais velhos e a hospitalidade para os estrangeiros também formam parte integral da etiqueta iraniana.

O Ano Novo iraniano (Noruz) é celebrado em 21 de março, como o primeiro dia da primavera.

Educação

Ver artigo principal: Educação no Irão
A população do Irã chegou a 70 milhões de
pessoas  em 2006. Mais de dois terços dos
iranianos estão com 30 anos de idade,
e a taxa de 
alfabetização está acima de 80%.

A educação é obrigatória para todas as crianças entre os 6 e os 10 anos de idade. De acordo com dados de 2005, 81,3% da população com mais de 15 anos de idade encontra-se alfabetizada. Desde a Revolução Islâmica de 1979 que todas as escolas e universidades devem promover os valores do islão, tendo se verificado um afastamento em relação a modelos educativos seculares.

A educação primária é seguida por um ciclo de três anos que procura avaliar as aptidões dos alunos e orientá-los para os vários tipos de ensino secundário.

Existem no Irão mais de 100 instituições de ensino superior. Após a Revolução Islâmica muitos académicos foram forçados a abandonar os seus lugares devido às suas ligações com a monarquia ou pela sua identificação com valores seculares, o que provocou uma falta de pessoal nestas instituições. Algumas universidades foram mesmo encerradas no início da década de 80 e outras mudaram de nome. Muitos iranianos encontram-se a estudar no estrangeiro devido a este fenómeno e também porque existe no país a mentalidade que uma educação no exterior é superior. As universidades iranianas mais importantes são a Universidade de Teerão (fundada em 1934), a Universidade de Shiraz (fundada em 1945) e a Universidade de Isfahan (fundada em 1950).

Torre Azadi, na praça homônima, é um
dos principais símbolos de Teerã
Hotel Abbasi, antigo caravançarai do século XVII adaptado ao turismo, em Isfahan.
Panorama de Tabriz

Comentários

Postagens mais visitadas