Senado: Lupicínio Rodrigues pode virar patrono da música brasileira


Da Redação | 07/01/2015, 09h12 - ATUALIZADO EM 07/01/2015, 09h33 

Lupicínio Rodrigues - reprodução
Está pronto para votação na Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) projeto de lei que declara o cantor e compositor Lupicínio Rodrigues "patrono da música popular brasileira". A homenagem ao artista gaúcho, cujo centenário foi comemorado em 2014, está prevista no Projeto de Lei do Senado 322/2014.

A proposta, que será votada em decisão terminativa na comissão, foi apresentada pela senadora Ana Amélia (PP-RS), em parceria com os colegas de bancada do Rio Grande do Sul, Pedro Simon (PMDB) e Paulo Paim (PT). Na justificativa da proposta, Ana Amélia explica que Lupicínio preenche todos os requisitos para se tornar patrono da música brasileira, de acordo com a Lei 12.458/2011, tendo “se distinguido por excepcional contribuição (...) ao segmento para o qual sua atuação servirá de paradigma”.
Nascido em Porto Alegre em 1914, Lupicínio passou a vida fora do eixo Rio–São Paulo. Mesmo assim, suas marchinhas de Carnaval e seus sambas-canções - que falavam, na maioria das vezes, de desilusão amorosa - conquistaram o gosto popular em todo o país.

Em quase 50 anos de carreira, compôs clássicos como Esses moços, pobres moços, Nervos de aço, Dona Divergência, Vingança, Nuncae Torre de Babel, músicas eternizadas na voz de intérpretes como Francisco Alves, Orlando Silva, Linda Batista, Dalva de Oliveira, Elza Soares, Elis Regina, Gal Costa e Jamelão – este, talvez, seu intérprete mais marcante e reconhecido.

Para o Rio Grande do Sul, deixou um legado especial: em 1953 compôs o hino do Grêmio, time do qual era torcedor. Seu retrato está na Galeria dos Gremistas Imortais, no salão nobre do clube.

O PLS 322/2014 recebeu parecer favorável do relator da matéria na comissão. Após a aprovação, se não houver recurso para votação em Plenário, a proposta seguirá para análise da Câmara dos Deputados.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Comentários